O Centauro Ferido/Roda de Cura

Arte, saúde e seres híbridos: transgressões e integrações de fronteiras

La premiére séance de Gerard Miler – adptação de Cristina Ferreira

Leave a comment

Advertisements


Leave a comment

Former jockey Declan Murphy tells his story of winning again after reading his own obituary

CREDIT: SUNDAY TELEGRAPH <http://www.telegraph.co.uk/racing/2017/04/29/former-jockey-declan-murphy-tells-story-winning-reading-obituary/&gt;

Exactly 23 years on, Declan Murphy cannot remember anything about the accident that almost killed him. “Nope, nothing,” he says. “I have no memory.”

It is perhaps no surprise he cannot recall the details of what happened at Haydock Park on May Day 1994. That was when the horse he was riding fell at a hurdle. As he tumbled from the saddle, he was knocked unconscious.

While he lay on the turf, unable to roll from danger, a following horse stamped on his head.

So traumatic was the injury, as he remained apparently unresponsive in a coma, the doctors advised that his life support should be switched off, a move that prompted the Racing Post to publish his obituary.

The device, however, was left on while his parents travelled from Ireland. But because his father refused to come by plane, instead of six hours to get to Warrington, the Murphys took 24. And after 22 hours their son showed the first twitch of life. Subsequently his mind may well have erased the thought that he only survived because his dad was afraid of flying.

But the odd thing is, it was not just the accident that was expunged from his memory. Long after he had recovered, long after he learned to walk, to run, to ride again, long after he forged a new career as a hugely successful property developer living in Barcelona, the time he was at the peak of the riding trade remains a complete blank.

“Four years, six months, four days: gone,” he says. “I can remember up to the point I became successful. But it wiped out all the best parts of my career. It meant for years I pretended what had happened to me never happened. Because I couldn’t remember. When people talked about it I’d acknowledge it, but never engage. I removed myself from it.”

Yet now, two decades after the accident, he has just published his autobiography. It seems an unlikely proposition: the memoir of a man who can’t remember. “Maybe that’s why it’s taken so long,” he says, in his publisher’s office. “There are so many pages of my story torn out. I never wanted to do a book. I turned the idea down many times. I’d walked away, become someone different. I didn’t want to go back there. How can you assess the psychology of someone who doesn’t talk about what’s happened to them?”

The beautifully tailored suit he is wearing suggests he didn’t need the money. But in the end he was persuaded by his ghost writer, an American academic called Ami Rao. She became his ghost in every sense, trying to inhabit his past in the quest to help him recover the lost times.

The result is Centaur, a brilliant, bold and at times brutal examination of the process of re-constructing his memory. “What appeared to happen to me was I had an accident and I recovered. It wasn’t as simple as that,” he suggests. “It was a deeply personal battle. I didn’t have a fight going on within me I had a war. I chose to fight this war on my own.”

In the long process of recovery, he cut himself off completely from his past. Although strong enough physically, he only rode one comeback race. He won it and then walked away from racing. Ami Rao, however, made him confront who he was, made him look at every single piece of written or visual evidence of his riding prowess.

Declan Murphy and horse
Murphy pictured a year after his accident CREDIT: GETTY IMAGES

“I’ve never cried so much as I have doing this,” he admits. “We talked to so many people about me. Their memories of what happened, it was like I’m a third party listening to this story. Really? That was me?”

One of the things he read during the process was his own obituary. “They were very kind about me,” he says of the Racing Post eulogy. “No complaints there.” As he recovered, Murphy had deliberately removed himself from those who had been central to his life before the accident. In the reconstruction of his memory, Ami Rao contacted all of them, several of whom had not heard from him in nearly 25 years.

“That was the amazing thing about this book,” he says. “Everybody we spoke to was desperate to talk. It was like they had finally been given permission.”

He discovered all sorts of things in the process. Like the fact his accident had happened the day after his hero Ayrton Senna had been killed and that he had apparently been filled with foreboding as he got ready to ride. Or like the way his fellow riders had reacted. “It seems when the doctor brought my helmet in and it seeped blood on to the table, every jockey in the weighing room that day, their blood went cold. You can’t imagine that type of scene. I certainly hadn’t.”

Ami Rao also contacted Joanna, Murphy’s then-girlfriend, who frantically tried to call him 20 or 30 times the afternoon of the accident, only for her calls to be ignored by the other jockeys, too traumatised to answer the phone ringing in his kitbag. She stood by him throughout his recovery, but they broke up soon after. The problem was Murphy had no memory of her before his accident. Nothing at all. Which was something his seven-year-old daughter struggled to understand.

Declan Murphy today

Declan Murphy’s book is “a brilliant, bold and at times brutal examination of the process of re-constructing his memory” CREDIT: SUNDAY TELEGRAPH

“My daughter opened the book and found a picture of me with Joanna,” he says. “She said to my wife, ‘Mummy, daddy had a girlfriend’. Then she said to me, ‘Why didn’t you marry her?’ My wife said: ‘Daddy had an accident and he can’t remember Joanna’. And you know what my daughter said? ‘But her picture’s in his book’.”

As he moved on in life, leaving his past behind, Murphy says the fact he was such a successful jockey became ever less significant. “I’m absolutely a different person. I have never used racing as a currency to trade in. Never. And I had a great career.” That said, he does admit that some of the mental requirements needed to become a top rider have been useful in his subsequent life.

“I absolutely used the disciplines I used as a jockey. But I think I had those anyway, and would have applied them to whatever I have done. I certainly had to be very disciplined in my recuperation.” Mentally, he says, his recovery was easily the most difficult thing he has ever done. Or at least that he can remember doing.

“I had to make sacrifices that you can’t imagine ever having to make. Yes, of course, there were consequential effects to that. Everybody said I changed. I became very private. I became obsessed with trying to create an identity for myself. That’s the thing when you don’t have a memory: you don’t have anything that tells you that you are the person you are.”

Now at least the memories are there in his book. Even if not in his mind.

  • Centaur by Declan Murphy and Ami Rao is published by Doubleday (£16.99)


Leave a comment

O poder da comunicação não verbal

 

R.C.Migliorini

 

O homem está só diante do incompreensível: angústia, medo, atração, mistério. As palavras de nada servem. Para que dar a isso nomes como Deus, Absoluto, Natureza, Acaso? O que é preciso é entrar em contato. O que o homem busca, para além da compreensão, é a comunicação. A dança nasce dessa necessidade de dizer o indizível, de conhecer o desconhecido, de estar em relação com o outro.

 O homem faz parte de um dado grupo. E tem necessidade de se sentir fazendo parte integralmente desse grupo: de estar em relação com os outros. Mais do que as leis, os costumes, os trajes e a linguagem é o gesto que vai dar existência a essa união. As mãos se juntam, o ritmo une as respirações, a dança nasce.

Maurice Béjart

O corpo é o espelho do pensamento. […] O movimento físico é o primeiro efeito normal de qualquer experiência mental ou emocional.

John Martin

Introdução

Lembro-me de que há alguns anos foi encenada uma peça soibre o romance Vidas Secas de Graciliano Ramos. Justamente o ator que interpretava a cachorra Baleia, foi premiado por sua interpretação. Ele não falava uma só palavra durante a peça. Llimitava-se a coçar-se, andar de quatro, encolher-se embaixo da mesa, e, por meio de ações corporais, demonstrava estados de alegria, medo, prontidão e assim por diante. Expressava-se somente pelo movimento.

Outro exemplo – este de 2003 – é o filme estrelado por Tom Cruise, “O Último Samurai”. O filme retrata um soldado americano que foi ao Japão para liderar uma luta contra rebeldes samurais. Apanhado, foi levado à aldeia em que eles viviam e nela mantido prisioneiro durante todo o inverno. Entretanto, como nessa estação a aldeia ficava isolada do resto do país pelas altas montanhas nevadas que a circundavam, não havia razão para mantê-lo em uma cela. Por essa razão, ele circulava livremente na vila e, enquanto isso, observava seus habitantes e interagia com eles. Acaba assim, entendendo e se apaixonando pela cultura e valores daqueles guerreiros e passa até mesmo a treinar e a aprender o Kendo (o caminho da espada). Entretanto, nos “diálogos” e contatos entre captores e capturado, ambas as partes estavam impossibilitadas de se comunicar pela palavra por falarem línguas diferentes, mas isso não impediu que se conhecessem, nem que viessem a se querer bem, pois os olhares, os gestos, os comportamentos diante das várias situações que surgiam “diziam” o que não podia ser expresso em palavras. Enfim, foi a partir do que viram um no outro e do que deduziram pela observação dos elementos não verbais, que os inimigos originais começaram a se conhecer, se respeitar e se relacionar, tornando-se grandes amigos.

Comunicação não verbal

Certa feita,  em viagem de férias a uma ilha do Mediterrâneo, o coreógrafo Maurice Béjart teve a oportunidade de viver durante algumas semanas a vida dos pescadores locais. Notou, então, que ao regressavam a terra após o dia de trabalho, quando se sentavam e começavam a conversar, acabavam discutindo. Nesses momentos, reinava a incompreensão. Entretanto, quando começavam a dançar, a vida era celebrada sem palavras e havia harmonia e a união entre eles.

O relato dessa experiência sugere a importância do movimento e o fato de, às vezes, ele ser muito mais eficaz para a harmonia e união das pessoas do que a palavra falada, exatamente porque possibilita um diálogo apenas baseado em sentimentos e emoções, e não no raciocínio e na argumentação.

A primeira vez que senti o poder do movimento para unir pessoas foi há mais de vinte anos, quando vi o vídeo de uma companhia de dança de bailarinos surdos dos E.U.A.

Era notável o respeito que os integrantes da companhia nutriam pelo movimento e pelo corpo do(a) companheiro(a) de palco. O motivo, creio eu, residia no fato de o movimento representar para eles uma possibilidade de contato, organização e expressão de algo impossível de ser abarcado de forma racional e também por ser um elemento de comunicação importante, um modo de chegar ao outro. Será preciso que fiquemos impedidos de nos comunicar verbalmente para entender o poder da comunicação não verbal para um diálogo verdadeiro?

Passos com paixão

Em 2007 a teóloga belga radicada na Holanda, Lieve Troch organizou o livro Passos com paixão: uma teologia do dia-a-dia. Escrito por três mulheres, a obra é marcada por experiências pautadas no cotidiano, pois, conforme creio, a teologia – talvez vista por mim de forma extremamente simplificada – nada mais é do que a soma de reflexões acerca da união com o divino que há em nossos corpos e alma, nos corpos e almas das outras pessoas e também nos objetos e locais mais diversos. Portanto, ao contrário do que costuma sugerir a visão teológica patriarcal, para essas teólogas o divino também se manifesta em espaços prosaicos como cozinha, praia, aeroportos, interior de vasilhames e por meio de ações simples como dançar, festejar, cantar, andar à beira-mar, cozinhar, comer, limpar, tentar se comunicar com o outro, ou ainda, como na prosa e no verso de duas outras mulheres, Clarisse Lispector e Adélia Prado, ao se fritar um ovo ou ao se limpar um peixe. O fascinante é que nenhuma dessas ações e expressões se pauta necessariamente no verbal e quando acontece, ele é usado mais para ampliar as experiências sensoriais e emocionais do que para defender ideias e pontos de vista.

No mesmo livro, em seu texto Exercícios em maravilhar-se: fronteiras e transgressões de fronteiras na teologia feminista, Troch fala das áreas fronteiriças, da terra de ninguém e do prazer que sentia quando ia à praia, em sua infância. Nessas ocasiões, gostava de “ficar horas a fio na linha do fluxo da maré, na fronteira onde a água e a terra se encontram”. Afirma que essa é uma fronteira em mutação constante por causa da movimentação ininterrupta da água e da areia. Além disso, ela também tem uma “cara” própria que não é nem a da terra e um nem a do mar. Para Troch, andar por horas a fio nessa linha em contínua mutação, dá a entender que se é capaz de mudar as próprias fronteiras e os próprios limites.

Então, de forma coerente com o título do seu artigo, pensamentos sobre fronteiras, terras de ninguém, frequentadores forçados de fronteira, identidade, interculturalidade, mestiçagem, hibridismo, relações de gênero, zonas de contato, questionamentos versus busca de conexões, assim como tensões entre restrição e liberdade, cultura global e local, centro e margem percorrem todo o texto. A autora salienta: na verdade temas ligados à fronteiras e transgressão de fronteiras são uma paixão feminista-teológica.

Mas por serem intrigantes, questões relacionadas à fronteira não se restringem apenas às abordagens feministas. O teólogo Paul Tillich referiu-se a ela em um livro autobiográfico intitulado On the Boundary (Na fronteira). Nele conta que na introdução de outra de suas obras, Religious Realization, escreveu: “A fronteira é o melhor lugar para adquirir conhecimento”. Ele também vê o conceito de fronteira como o símbolo mais adequado para todo o seu desenvolvimento pessoal e intelectual. Em quase toda a sua história, diz, viveu “entre possibilidades alternativas de existência, sem se sentir realmente à vontade com nenhuma e sem adotar uma posição definitiva em relação a elas”. Segundo ele, o pensamento pressupõe receptividade a essas novas possibilidades, e essa posição, embora frutífera para o pensamento, também é difícil e perigosa em relação à vida. No livro, sempre discute uma possibilidade em relação à outra, mesmo quando as opõe. Por fim, afirma que a fronteira maior é aquela existente entre o Eterno e as possibilidades humanas, pois, na presença do Eterno, o que nos parece central em nosso ser é periférico e fragmentário. (Tillich, 1967, p. 98)

Contato x isolamento

Da mesma forma que existem fronteiras entre lugares, existem entre corpos. Suas balizas são as simples diferenças entre um e outro corpo e o isolamento,  por vezes físico, desses corpos. A pele, por exemplo, distingue (isola) um corpo dos corpos e objetos circundantes. Dessa forma, um simples gosto alimentar destaca um corpo do outro, como também opiniões filosóficas, escolhas de vida, idade, cultura, características físicas, crenças religiosas, orientação sexual e limitações espaciais e físicas. Todas essas diferenças os impedem de se fundirem, misturarem e amalgamarem em uma massa informe.

Enfim, são inúmeras as diferenças, limites e fronteiras que, além de permearem a humanidade, demarcam todas as nossas experiências. Tanto é assim que a Gestalt afirma que seríamos incapazes de perceber o mundo sem diferenças, limites, fronteiras ou demarcações.

Porém, limites e fronteiras, isolam ao passo que simultaneamente são pontos de contato, de forma que em alguns momentos, podemos transcender tal isolamento de modo saudável (1) ao unir corpos em uma dança e permitir que o silêncio ou o emudecimento abafem os ruídos do choque de ideias que frequentemente impedem essa união.

Física escolar

Se bem me lembro das lições de física da escola, quando dois corpos são unidos, é como se formassem um terceiro. Sendo assim, o eixo gravitacional de cada um é deslocado para o espaço entre eles. O mesmo se dá quando vários corpos se unem para formar outro como, por exemplo, em uma roda formada por várias pessoas. Cada corpo individual tem seu próprio eixo, mas ao se unirem para formar o círculo, esse eixo é deslocado para o centro dele. Essa sensação é sentida no físico de cada indivíduo que forme o círculo e também é comum ser seguida por uma resposta emocional, pois quando o círculo se movimenta, o indivíduo sente-se maravilhado pela simples razão de estar se movimentando em torno de um eixo que está fora de seu corpo, no centro da roda. Nessa experiência, ele transcende os limites do corpo individual e passa a fazer parte de um corpo coletivo. Os movimentos não são mais produzidos só por ele, e sim por todos.

Guerreiro – dançarino

 

Para escrever este artigo, acabei vendo algumas imagens do “Último Samurai” na web. Uma das imagens me chamou a atenção. Os dois protagonistas do filme treinavam Kendo, isto é: técnica tradicional de combate com espadas dos samurais do japão feudal. Ao vê-la, ocorreu-me que, assim como a dança, a luta também lida com fronteiras e suas transgressões.

A luta trata da defesa de fronteiras, mas para as defender e demarcar, ela as obriga a se tocarem. No kendo, a luta do filme, por exemplo, esse toque é feito com as espadas. Quando elas estão como que coladas uma â outra, os combatentes giram, mantendo-as unidas. É como a experiência da roda mencionada acima. Outro eixo, no caso um concreto e material, é formado entre os dois.

Mesmo sem entender muito de lutas, creio que algo semelhante se dá em todas. E os consequentes movimentos de aproximação, afastamento, ataque, defesa, ameaça e muitos outros sugerem uma dança.

Talvez isso tenha sido sentido ou explicitado por alguns coreógrafos como Rudolf Laban e Ohad Naharin. O primeiro era filho de um oficial do exército austro-húngaro e observou a movimentação dos soldados nas inúmeras visitas que fez com o pai aos batalhões do exército imperial. Já Naharin serviu o exército israelense e Tomer Heymann, diretor do filme Mr Gaga, sobre a vida e obra do coreógrafo, sugere que sua passagem pelo exército é essencial em sua obra.

Rudolf Laban baseou grande parte de seu método de análise do movimento na observação de movimentos militares. Esse método presta-se tanto ao trabalho com profissionais, por seu alto nível de exigência e criatividade, quanto ao trabalho com amadores, de crianças a idosos, dado seu caráter simples e intuitivo. Mais de meio século depois, Ohad Naharim fez o mesmo com o método Gaga.

O bailarino e coreógrafo contemporâneo brasileiro Eduardo Fukushima afirma em entrevista que uma de suas fontes de inspiração é um estilo de Tai Chi Chuan originário do sul da China. Ora, o Tai Chi Chuan é uma luta utilizada por vários bailarinos e coreógrafos, brasileiros e estrangeiros. Na faculdade de dança da Unicamp, era uma das matérias obrigatórias, assim como a Capoeira, outra luta, essa brasileira.

Considerações finais

Troch coloca que a formação de teorias e teologias feminista tematizam fronteiras e transgressões de fronteiras em seus métodos de trabalho, de forma que temas fora das fronteiras do estritamente teológicos passam a ser constante fontes de reflexões teológicas. Nesse sentido, apesar de, segundo o que penso, as artes – sobretudo a dança – e os artistas  não serem levados muito a sério pelos meios acadêmicos e até mesmo pelo senso comum, ganham cada vez maior interesse e respeito. Isso me parece bastante promissor, já que, assim como entre as pessoas, eu sinto que há um embate desnecessário entre diferentes campos do conhecimento. No entanto, ser capaz de atuar sobre a angústia do ser-humano é primordial para mim como artista assim como, creio eu, para grande parte dos teólogos e teólogas. Afinal, a fronteira é ou não o melhor lugar para se adquirir conhecimento?

Quiçá, por meio da dança, do movimento e da relação corporal com o outro, logremos nos sentir parte do todo e sermos capazes de dizer — não necessariamente com palavras —, a quem estiver ao nosso lado: o Deus que há em mim saúda o Deus que há em você. Namastê.

Notas:
(1) falo de transcender um isolamento fronteiriço de forma saudável tomando como exemplo do contrário a esquizofrenia. Ela é uma forma patológica de perda de fronteiras e de fusão com o outro e com o meio.

Referências

AMARAL, Leila. Maurice Leenhardt: Antropologia e missão. In: TEIXEIRA, Faustino (org.) Sociologia e religião: enfoques teóricos. Petrópolis: Vozes, 2003

BALDWIN, Stephen C. Pictures in the air: the story of the National Theatre of the Deaf. Washington, DC: Gallaudet University Press, 1993.

BATERNIEFF, Irmingard. Coping with the environment. New York; London: Routlege, 2002

BÉJART, Maurice. Prefácio In:* GARAUDY, Roger. Dançar a vida. 2ª edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

BOFF, Leonardo. A vida dos sacramentos e os sacramentos da vida. Petrópolis: Vozes, 1979.

BRANDÃO, Eli. (2005). …E o divino se faz verbo: conjunções entre símbolo e metáfora. Estudos de Religião. Ano XXI, n. 29: 160.

CAMPBELL, Joseph; MOYERS, Bill. O Poder do Mito. São Paulo: Palas Athena, 1990.

CANCLINE, Nestor Garcia. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 2ª edição. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1998.

CASTRO, Clóvis Pinto de. (2005) Ausência dos banquetes na realidade cotidiana: falta de pão e bebida como tema da ética teológica. Estudos de Religião. Ano XXI, n. 29: 147.

COELHO, Paulo. O teatro na educação. 2ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1978.

Conectedance Videos. Eduardo Fukushima. Homem Torto. Disponível em http://www.conectedance.com.br/videos/eduardo-fukushimahomem-torto/>. s/d. Acesso em 15/11/2017.

GUERRA, Maria Helena R. Mandacarú. (2007). Espírito da terra: a religiosidade popular da América Latina. Jung & Corpo. Ano VII, n 7: 7.

JANÔ, Antonio Januzelli. A aprendizagem do ator. São Paulo: Editora Ática, 1986.

LABAN, Rudolf*. Modern educational dance*. 3ª edição. London: Macdonald & Evans, 1975.

LABORIT, Emmanuelle. O voo da gaivota. São Paulo: Best Seller, 1994.

MADURO, Otto. (2005) Fazer teologia para fazer possível um mundo diferente: um convite autocrítico latino-americano. Estudos de Religião. Ano XXI, n. 29: 113.

MARTIN, John. A dança moderna: (Partes I e II). (2007). Proposições. vol.* 18, n. 1 (52): 229.

MARTIN, John. A dança moderna: (Partes III e IV). (2007). Proposições. vol. 18, n. 2 (53): 217.

MIRANDA, Regina. O movimento expressivo. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1980.

O Último Samurai (The Last Samurai): Direção: Eduard Zwick. Roteiro: John Logan; Eduard Zwick. Produção: Eduard Zwick; om Cruise. Música: Hans Zimmer. Fotografia: John Toll. Desenho de Produção: Lilly Kilvert. Figurino: Nigila Dickson. Edição: Victor Du Bois; Steven Rosenblum. Intérpretes: Tom Cruise; Ken Watanabe e outros. Hollywood (CA), Warner Bros, 2003 [E.U.A.]. (154min), sonoro, colorido, 35mm. Inglês.

PERRONE, Marcelo. Documentário “Gaga: O Amor Pela Dança” destaca a trajetória do coreógrafo israelense Ohad Naharim. Disponível em https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/cinema/noticia/2017/04/documentario-gaga-o-amor-pela-danca-destaca-trajetoria-do-coreografo-israelense-ohad-naharin-9768045.html. 09/04/2017. Acesso em 20/11/2017

PIERIS, Aloysius. O diálogo inter-religioso e a teologia comparativa: uma perspectiva asiática. São Bernardo do Campo: Ed Nhanduti, 2008.

SACKS, Oliver. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCHOEFER, Brian. The Secret History Of The Israeli Choreogrpher Ohad Naharin. Disponível em https://www.newyorker.com/culture/culture-desk/the-secret-history-of-the-israeli-choreographer-ohad-naharin. 01/02/2017. Acesso em 20/11/2017.

SILVEIRA, Nise. Jung: vida e obra. 9ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

TILLICH, Paul. On the boundary. London: Collins, 1967.

TOUCHARD, Pierre-aimé. O teatro e a angústia dos homens, São Paulo: Duas Cidades, 1970.

TROCH, Lieve (org). Passos com paixão: uma teologia do dia a dia. São Bernardo do Campo: Nhanduti, 2007.

TROCH, Lieve. Espaços de sabedoria e graça: educação teológica para a transformação. (2005). Estudos de Religião. Ano XXI, n. 29: 132.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Kendo. dez/2004. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Kendo#Hist.C3.B3rico&gt;. Acesso em 19 nov. 2017

 


Leave a comment

O poder do belo

(R. C. Migliorini)

Um post do Face book dizia que, certa vez, um famoso violinista tocou incógnito durante quarenta e cinco minutos no metrô de Washington. Nesse tempo quase ninguém parou para ouvi-lo. Somente as crianças deram sinais de que o fariam, caso não estivessem acompanhadas por pais apressados.

Nada me parece mais natural, já que, ao contrário do que ocorre com os adultos, na maioria das sociedades humanas, são elas que dispõem de tempo. Por sua vez são os adultos que se dedicam, não só à própria subsistência, como também à das crianças.

Ilustro meu ponto de vista com um filme a que assisti nesse final de semana. Ele era sobre a vida em uma tribo de Papua – Nova Guiné. Nele mencionaram muitas pessoas, entre elas um garoto e seu pai.

Ao garoto cabia a tarefa de cuidar dos poucos porcos da família. Como essa tarefa não exigia tanto o seu tempo, ele podia brincar com as crianças que faziam o mesmo, caçar borboletas, se entreter com vários insetos, cultivar uma mini horta e até tirar uma soneca durante o trabalho.

Local people participating at the mumu, Lakwanda, Tari, PNG.

Local people participating at the mumu, Lakwanda, Tari, PNG.

Já seu pai caminhava diariamente para uma torre de observação de onde vigiava a aproximação de inimigos. Protegia, assim, o território da aldeia e, durante o tempo lá encarapitado, fazia outras atividades que não o distraiam muito nem exigiam que ele saísse de seu posto.

Como em algumas raras ocasiões as batalhas ceifavam a vida de alguém, os homens se permitiam repeti-las em intervalos regulares, sem sequer pensar em fazer um tratado de paz. Contudo, todas terminavam antes do anoitecer, porque mesmo o guerreiro mais feroz temia os fantasmas que vagavam durante as horas de escuridão.

É interessante notar, porém, que estivesse seu povoado em em guerra ou não, o pai do menino nunca deixava de olhar as belezas ao redor. A que preferia era ver a revoada das andorinhas se recolhendo para dormir.

Talvez a atribulação máxima de vida de adulto fosse guerrear. Olhar para essas coisas, em contraposição, poderia ser o seu modo de relaxar. Parece que os seres humanos não são tão diferentes assim, vivam em uma tribo ou em uma grande cidade. Nós também transformamos nossas batalhas em entretenimento e, do mesmo modo, belas vistas e músicas nos relaxam mesmo que não tenhamos tempo para nos deter diante delas.