Roda de Cura/Centauros Feridos

Arte, saúde e seres híbridos: transgressões e integrações de fronteiras


Leave a comment

La Cumparsita. Ice Skating With a Chair

Advertisements


Leave a comment

O poder do belo

(R. C. Migliorini)

Um post do Face book dizia que, certa vez, um famoso violinista tocou incógnito durante quarenta e cinco minutos no metrô de Washington. Nesse tempo quase ninguém parou para ouvi-lo. Somente as crianças deram sinais de que o fariam, caso não estivessem acompanhadas por pais apressados.

Nada me parece mais natural, já que, ao contrário do que ocorre com os adultos, na maioria das sociedades humanas, são elas que dispõem de tempo. Por sua vez são os adultos que se dedicam, não só à própria subsistência, como também à das crianças.

Ilustro meu ponto de vista com um filme a que assisti nesse final de semana. Ele era sobre a vida em uma tribo de Papua – Nova Guiné. Nele mencionaram muitas pessoas, entre elas um garoto e seu pai.

Ao garoto cabia a tarefa de cuidar dos poucos porcos da família. Como essa tarefa não exigia tanto o seu tempo, ele podia brincar com as crianças que faziam o mesmo, caçar borboletas, se entreter com vários insetos, cultivar uma mini horta e até tirar uma soneca durante o trabalho.

Local people participating at the mumu, Lakwanda, Tari, PNG.

Local people participating at the mumu, Lakwanda, Tari, PNG.

Já seu pai caminhava diariamente para uma torre de observação de onde vigiava a aproximação de inimigos. Protegia, assim, o território da aldeia e, durante o tempo lá encarapitado, fazia outras atividades que não o distraiam muito nem exigiam que ele saísse de seu posto.

Como em algumas raras ocasiões as batalhas ceifavam a vida de alguém, os homens se permitiam repeti-las em intervalos regulares, sem sequer pensar em fazer um tratado de paz. Contudo, todas terminavam antes do anoitecer, porque mesmo o guerreiro mais feroz temia os fantasmas que vagavam durante as horas de escuridão.

É interessante notar, porém, que estivesse seu povoado em em guerra ou não, o pai do menino nunca deixava de olhar as belezas ao redor. A que preferia era ver a revoada das andorinhas se recolhendo para dormir.

Talvez a atribulação máxima de vida de adulto fosse guerrear. Olhar para essas coisas, em contraposição, poderia ser o seu modo de relaxar. Parece que os seres humanos não são tão diferentes assim, vivam em uma tribo ou em uma grande cidade. Nós também transformamos nossas batalhas em entretenimento e, do mesmo modo, belas vistas e músicas nos relaxam mesmo que não tenhamos tempo para nos deter diante delas.


Leave a comment

A ponta e o pinto

Adaptado do livro do mesmo autor Curadores Feridos e outros frankensteins: quinze apostas nos opostos.

Consideremos duas situações. Na primeira, uma bailarina dança em sapatilhas de pontas. Na segunda, um pinto, que alguns astronautas levaram para o espaço, é solto em gravidade zero no interior de um laboratório espacial. A bailarina parece flutuar, enquanto o pinto de fato flutua. Os movimentos dela são harmoniosos, mas os dele, desajeitados ao extremo, já que o pobrezinho se debate freneticamente quando solto no interior da nave.

É que para se equilibrar nas pontas dos pés e transmitir a ideia de que levita, a bailarina precisa exercer grande força contra o chão. Em outras palavras: a fim de criar a ilusão de pairar, a bailarina deve usar a resistência oferecida pelo solo e, com muita força, empurrar contra ele as partes do corpo que o tocam.

Já a pequena ave não consegue mover-se de modo eficiente e harmonioso justamente pela ausência de peso. Com a falta de peso nos pontos em que seu corpo deveria fixar-se para exercer força contra outras partes de si mesmo e do meio, mover-se se torna impraticável.

Sem pontos de apoio e peso que possibilitam ancorar uma parte do corpo no chão, acontece com o pintinho o mesmo que aconteceria com um carro que perdesse aderência em uma estrada molhada. A roda do carro gira em falso e os pés da avezinha movem-se ao léu.

Uma águia ou avião que não pudessem “apoiar-se” no ar tampouco poderiam voar ou direcionar seus movimentos com eficiência. Sem atmosfera para retê-los no ar eles cairiam do céu como uma pedra; sem gravidade, ficariam flutuando eternamente. Basta imaginar um paraquedas fechando-se em pleno voo ou o cabo que mantém o astronauta preso à nave romper-se.

Se é o contato com o solo que nos dá força e permite o movimento físico, o que nos transmite força interna é o contato com a nossa essência, com o solo interior de cada um ou com o torrão da terra natal que carregamos onde quer que formos. Paremos, pois, de nos debater como o pintinho em um ambiente sem gravidade, enfraquecido e desorientado por ser incapaz de tocar a terra. A bailarina nos espera, não para nos ensinar a voar, mas para provar que voar só é possível com os pés bem plantados no chão.

Rogério C. Migliorini