centauros feridos

Blog que relaciona arte, movimento e cura.

rogerio8

O que o fauno faz?

Leave a comment

Desde 1990, quando reflexões sobre um monstro da ficção – nosso conhecido Frankenstein –, originaram uma peça de autoria de Rogério Migliorini chamada Dorme, dorme, Frankenstein, ele é acompanhado por criaturas com corpos híbridos.

Pouco tempo depois, seu próprio corpo foi transformado em um corpo híbrido. Isto é, em decorrência de uma doença e seu tratamento, metade dele ficou semi-paralisado enquanto a outra metade continuou inalterada.

Rogério, então, decidiu refletir sobre seres com corpos curiosos e constatou que a diversidade e a presença em um aparente unidade de facetas múltiplas pode causar conflitos não só em seres míticos e inexistentes, mas também em seres humanos reais, assim como em instituições e sociedades.

Por conseguinte, concorda com Cancline em seu Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade, e afirma que no “mundo atual convive-se simultaneamente com o velho e o novo, o tradicional e a tecnologia de ponta, o popular e o erudito”.

Recentemente, trabalhando com pessoas com paralisia cerebral começou a criar um trabalho cujo primeiro resultado apresenta aqui e que justifica dizendo: “Para mim, a vocalização de uma pessoa com paralisia cerebral se assemelha ao canto das baleias, não especificamente na questão sonora, mas na organização, uma vez que uma aparente casualidade sonora é, na verdade, um instrumento bastante efetivo e complexo de comunicação.

Pensando assim, reuniu materiais sonoro, visual e performático. Daí a vocalização de duas pessoas com PC mixadas com a música “Epitáfio para as baleia” de Fátima Miranda, o fauno, um ser semi-humano, os desenhos de Mariângela Guelta de seres meio-humanos meio bichos, barcas-animalescas, peixes estranhos e a sugestão de estátuas submersas e da navegação por mares nunca dantes explorados.

para ver performance 1 (umesp) clique aqui

Author: roda de cura

Um artista de dança interessado em arte, movimento e cura (vista de modo bem amplo). A former dancer interested in art, movement, and cure (seen in a very wide way).

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s